22 de julho de 2016

Temos medo de SENTIR


Temos medo de sentir.

Na verdade, a primeira culpa é da sociedade. Não somos ensinados a sentir, pelo contrário, somos habituados a ir contra aquilo que sentimos. E começa o monólogo "não podes ir para ali porque não sabes o que vais lá encontrar", "não vás por ali porque te podes magoar", "não podes escolher através do que sentes porque a razão é muito melhor que o sentimento".
Escolhemos os trabalhos, os relacionamentos, as amizades, com base no que pensamos que nos trará menos problemas ou no que consideramos mais seguro. O resto é tão perigoso, tão incerto!
Mas a segurança que escolhemos acaba por nos trazer tanta insegurança!

E depois? Depois o problema passa a ser connosco. Sentimo-nos perdidos de nós mesmos, confusos com o facto de estar a sentir uma coisa e a decidir outra. Mas mantemos essa posição, porque foi assim que fomos criados e é assim que estamos habituados.

E deixamos de sentir. Deixamos de nos sentir. Deixamos de sentir os outros. Deixamos de saber o que fazer, bloqueamos instintos, bloqueamos sentimentos, bloqueamos a paixão pela vida, barramos o nosso equilíbrio, e sentimo-nos perdidos e sozinhos. Desculpamo-nos com o trabalho, com o parceiro, com os colegas, com os familiares, com o clima ou com a falta de dinheiro, quando temos dentro de nós tudo aquilo que é preciso para sermos mais equilibrados e mais felizes.

Uma luta interna sem fim visível, com previsão apenas para os mais afoitos.

7 comentários:

  1. Verdade... Depois andamos ou a tentar esquecer o que se passa connosco, ou a lutar para mudar de forma a podermos sentir...

    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. tristemente real... quantas vezes escondo lágrimas, durante um filme? Esconder por que motivo? :)

    ResponderEliminar
  3. Pois eu digo já que choro muito! Ma também rio... e ralho muito... e amo muito também!

    Não há modelos perfeitos de educação porque ao querermos poupar-nos e poupar os nossos filhos de sofrer, esquecemo-nos de os ensinar a lidar com a frustração, o medo, a dor...
    O segredo seria conseguirmos aprender, e depois ensinar, a lidar com os nossos sentimentos.

    Quero dar-te os parabéns por este teu post, que num dia como o que estou a viver hoje, acerta-me em chio! Ainda por cima escolheste um tema da "minha menina" adorada, a Lindsey, cujo trabalho adoro e sigo há já mais de três anos.

    Beijinhos Sarah, bom fim de semana
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (o meu teclado hoje tá parvo e comeu umas quantas letrinhas ao comentário! Decerto que o perdoarás)

      (^^)

      Eliminar
  4. Podemos, claro, guiar-nos sempre pela razão e seguir pelo caminho que nos parece mais seguro. No entanto, o istinto também deve mandar algo e temos de perceber o que ele nos diz. É aí que está o sentir e é no sentir que muitas vezes encontramos o caminho para a felicidade. Belíssimo texto!

    ResponderEliminar
  5. Acomodamo-nos, porque é mais fácil viver segundo as regras do rebanho.
    Somos uma carneirada sem ideias e queixamo-nos que não somos felizes...

    ResponderEliminar
  6. Uma bela postagem.
    Aprendemos tudo isso com o passar dos anos e o ruim de viver assim, além de deixar de ser nós mesmos, é a muralha que criamos ante as pessoas e circunstâncias. Estamos sempre nos armando e desconfiando, os relacionamentos passam a ser por interesse e ouvimos muito "cortei da minha listinha", apenas bastando que, para isso, a pessoa não corresponda às nossas expectativas.
    Viver é muito mais que isso e necessitamos encontrar o equilíbrio diariamente. Felizes os que conseguem aprender logo esta lição.
    Belo post, parabéns! E adorei o template do blog.
    Abraços e feliz semana.
    Márcia.

    ResponderEliminar