7 de julho de 2016

Reflexão


Hoje trabalhei expectativas. E ao trabalhar expectativas dos outros, trabalhamos também as nossas.
Por vezes imaginamos que sabemos aquilo que vai na cabeça do outro. E então criamos um ciclo de pensamentos a partir desse: "aquela pessoa é assim e assado, pensa isto ou aquilo e espera de mim aquilo e aquilo". E ainda nos conformamos com isso "porque me disse isto e aquilo".
Façam um favor a vós mesmos: falem! Não presumam que os outros sabem aquilo que pensam, que sentem, e que pretendem.
E perguntem! Não presumam que a pessoa é assim por um comportamento isolado ou por uma frase num determinado tempo e contexto. O mundo muda a cada segundo.
Não criem expectativas altas ou baixas, dentro do possível. Mas também  não as destruam. As expectativas são ótimas, quando ajustadas à realidade.
Falem de vocês e perguntem sobre o outro.

19 comentários:

  1. É exatctamente isto que tenho andado a fazer, mas depois de tantos anos "viciada" não é fácil!
    Não conhecia o teu blog mas estou cheia de curiosidade...

    ResponderEliminar
  2. Ser desapontada é muito doloroso.

    ResponderEliminar
  3. Pois, às vezes pintamos os outros demasiado bons ou demasiado maus!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes bem diferentes do que são. Bons e maus, todos somos. :)
      Bjs.

      Eliminar
  4. Valiosos conselhos e de borla, que ainda é melhor. Thanks! ;)

    ResponderEliminar
  5. Um tema sobre o qual se deve refletir!!!
    Obrigada pela visita!

    ResponderEliminar
  6. E preciso que "o outro" (ou a outra eheh) se queira abrir. Porque assim como algumas pessoas presumem que sabem tudo do outro, por vezes o outro, presumindo que sabemos tudo dele, "fecha-se em copas" e não diz nada. :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, de facto. Mas podemos sempre tentar abrir-lhes a boca para que deitem qualquer coisinha cá para fora! :)

      Eliminar
  7. Ora aí está um dos meus (grandes) problemas: falar.
    Estou a tentar!

    ResponderEliminar
  8. É um defeito que quase toda a gente tem, julga-se e só depois se pergunta. Terá que ser ao contrário, perguntar e depois falar.
    Beijinho Sarah Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E às vezes julga-se e nem se confirma depois. :)
      Beijinho!

      Eliminar
  9. é isso mesmo. Passamos parte do tempo a pensar o que de facto pode não ser e depois julgamos com uma convição que nasceu errada.

    ResponderEliminar